Tendo como uma das prioridades planejar ações sindicais e estratégias que fortaleça a gestão sindical, o curso contou com três dias consecutivos de debates, oficina, e avaliações voltadas a Gestão Sindical, no auditório da Central Única dos Trabalhadores no Estado do Piauí-CUT-PI. Capacitar para fortalecer e potencializar a gestão sindical foi o objetivo do Curso de Gestão Sindical promovido pela CUT Piauí, por meio da Secretaria de Formação da CUT, em parceria com  a Escola Sindical da CUT Nordeste, representada durante o evento pela Educadora Almerinda Alves.

Durante a abertura o Presidente da CUT-PI – Paulo Bezerra, fez uma breve avaliação do cenário político atual, e destacou a importância da realização do curso para os sindicatos, e falou sobre o 13º CONCUT.

Paulo Bezerra – Presidente da CUT-PI ” A nossa central vem buscando sempre os nossos sindicatos, através dos seus dirigentes e suas dirigentes, com o objetivo de capacitar para o bom andamento da sua gestão sindical, a formação é muito importante, principalmente diante dessa conjuntura adversa que estamos enfrentando, o papel da nossa central é esse, de fortalecer cada vez mais a resistência, e somente com a formação conseguiremos vencer“.

“Nós Estamos investindo mais uma vez na política de formação e capacitação, essa política tem trazido resultados levando em conta a necessidade das nossas entidades sindicais do Piauí, para gerenciar os nossos sindicatos, também é uma formação que vai junto nessa grade de capacitação porque é a política prioritaria da CUT, é a política de formação, e nós temos que investir cada vez mais nesse modelo que tem nos trazido resultado, a procura é muito grande, e sufoca a demanda que nós estamos passando no momento, e não podemos deixar também de dizer que essa valorização da política de formação é mais importante principalmente num momento politico e econômico que atravessamos no pais, que é a política que está sendo apresentada  por esse governo, que está sendo desenvolvida com objetivo simplesmente financeiro, e deixa claro que a classe trabalhadora precisa estar se fortalecendo e se capacitando para resistir e buscar mudanças, o desemprego está grande, a economia ta muito ruim, e isso diz respeito ao movimento sindical, porque a política também de perseguição e criminalização do movimento sindical ela ta em pleno vigor, o governo pensa mais em prejudicar o movimento sindical porque é um campo de resistência ao projeto desenvolvido pela classe empresarial, que é o dito estado minímo que é o liberalismo em si, eu espero que nós possamos cada vez mais capacitar pessoas, dirigentes, que essas pessoas sejam multiplicadores, especialmente na area de formação política, nesse campo dialogando com outros campos, que possamos ir além da capacitação que estamos fazendo que é voltada apenas para nós dos movimentos sindicais, nós queremos expandir, levando para outros grupos possam estar inseridos nessa política de capacitação e formação”. Citou.

Para Paulo Bezerra (CUT-PI) “Acredito que iremos discutir tudo o que foi discutido aqui durante esse curso de gestão sindical no nosso 13º congresso da CUT que vai acontecer de 7 a 10 de outubro, onde lá vamos estar debatendo a questão da reunificação sindical, de forma ideologica, voltada não especificamente para a classe, mas para um conjunto da sociedade que está sendo perseguido com esse modelo de gestão do atual governo, e a política sindical ela tem que estar de olhos na representação dentro dos fóruns, do parlamento, câmaras, nas assembleias, no congresso nacional, precisamos estar pensando nessa política, nessa representação também aonde a cada eleição que possa acontecer, seja no município, no estado, ou federal, que possamos ter esse debate voltado para a eleição de pessoas que defenda uma política voltada para a classe trabalhadora e o conjunto da sociedade, nós tivemos um exemplo muito importante na eleição passada aonde nós avançamos, conseguimos eleger timidamente alguns representantes, e no próximo ano vai ter eleição municipal, espero que a população, a classe trabalhadora possa ter essa visão de discutir política partidária para a representação nesse campo ambém, e o congresso é onde vai dar o tom  desse novo modelo de comportamento que discute a política com a participação das bases,  e não só para dirigentes. Eu fico animado com o nosso congresso que se aproxima e espero que possamos retornar e eleger uma nova diretoria com o objetivo de engrandecimento da nossa CUT para que possa também avançar nesse diálogo de reunificação dos movimentos sociais, e das centrais sindicais, mesmo que ainda existam centrais sindicais que tenham um campo ideológico diferenciado, mas precisa reorganizar  a luta, e reforçar essa resistência”. Concluiu.

Josivaldo Martins, secretario de formação da CUT-PI “Esse é um curso que já vem na plataforma da CUT Nacional, sendo encaminhado para as CUT’s Regionais, através das escolas nordeste em parceria com as secretarias de formação, essa é a terceira turma do curso de gestão sindical, mas essa vem diferenciada, das duas últimas realizadas, nessa tivemos uma pluralidade maior, com representações de todos o estado do Piauí,  com um envolvimento de todos os sindicatos aqui representados pelos setores rurais, urbanos, municipais, base estadual, setor público e privado, todas as representações sindicais que a CUT tem se fizeram presentes no nosso curso, e o que é mais interessante é que usamos de uma metodologia diferenciada em relação as outras duas turmas, fizemos oficinas de planejamento, oficina sobre o diagnóstico sindical dentro da própria grade do curso, onde os dirigentes puderam se perceber como  de fato dirigentes sindical“. Disse.

Segundo Josivaldo Martins “a principal dificuldade é ainda se manter a cultura de entender  de que o dirigente é apenas o presidente, o secretario, o tesoureiro, e a gente foi além dessa barreira, fizemos através da parte prática a demonstração que toda a direção deve se envolver, e fica o ensinamento que o maior patrimônio do sindicato é a sua base, não é o prédio, não é o carro,não é as estruturas, mas sim a sua base, que é quem dá a sustentação financeira e política para a ação do sindicato. Durante esses três dias tivemos motivos de orgulho em ver um auditório lotado, mesmo que diante das cargas de trabalho que os dirigentes tem a cumprir perante a sua base, ainda mais nos dias de hoje com essa precarizaçao de trabalho que as pessoas tem que se virar na formalidade e se desdobrar na  informalidade, muitos tem outras atividades, e nós conseguimos aglutinar com toda essa controversia, com toda essa conjuntura que vivemos hoje, reunir mais de 80 trabalhadores, é motivo de muita vitória, muita comemoração, mais também é motivo de muita responsabilidade, e que nós que fazemos a direção da CUT, sabemos que ao concluirmos esse curso saimos com um compromisso renovado de continuar lutando pela classe trabalhadora, porque esse curso foi um sinal de que a classe trabalhadora está percebendo o que está acontecendo, ela sabe o que fazer, mas precisa de uma orientação, e ai onde entra a Central Única dos Trabalhadores como a principal central desse pais a que mais faz jus, a que mais aglutina, a central que mais se preocupa com a classe trabalhadora, nós estamos cumprindo a nossa tarefa, não só de alertar os trabalhadores, a nossa missão é maior, temos uma responsabilidade de aglutinar mais sindicatos independente das vertentes, para além dos sindicatos aglutinar os movimentos sociais, e ganhar a sociedade como um todo para que todo mundo perceba que não é esse o Brasil que a central defende, não é esse o Brasil que os brasileiros e as brasileiras querem”. Concluiu.

Durante o curso de Gestão Sindical, o dirigentes discutiram estratégias a serem levadas como forma de contribuição ao congresso Nacional da CUT, onde Mais de dois mil delegados e delegadas, homens e mulheres, do campo e da cidade, sairão de suas cidades em todas as regiões do País para participar. O 13º Congresso Nacional da CUT “Lula Livre” – Sindicatos Fortes, Direitos, Soberania e Democracia, acontecerá entre os dias 7 e 10 de outubro, na Praia Grande, em São Paulo.

13º CONGRESSO NACIONAL DA CUT

Eixos do Congresso

O 13º Congresso Nacional da CUT deverá expressar de forma contundente o momento que o país vive e o sentido que os sindicalistas e as sindicalistas querem dar para ele. E o nome do CONCUT explica bem os eixos da Central para o próximo período: “Lula Livre – Sindicatos fortes, direitos, soberania e democracia”.

Fonte CUT-PI

Artigos Relacionados
Leia mais em CUT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

PEC que altera organização sindical é devolvida por falta de assinaturas

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 161/19 foi devolvida ao autor por falta de assin…