A Anatel enviou ontem, 9, ofício a todas as operadoras de telefonia fixa e móvel do país (concessionárias e autorizadas) para que cumpram a decisão da liminar concedida pela juíza federal Natália Luchini, da 12ª Vara Cível de São Paulo, que determinou às  agências reguladoras de infraestrutura a manter os serviços essenciais, entre eles o de telecomunicações.

A decisão judicial vale para todo o país, reiterou a magistrada, ao negar o recurso impetrado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), no dia 7 de abril, obrigando o órgão a notificar as empresas.

A magistrada determinou ainda que as operadoras restabeleçam, no prazo de 24 horas, os serviços que tenham sido cortados pelas empresas por causa da falta de pagamento.

A suspensão do corte dos serviços essenciais foi apresentado pelo Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Idecon), que impetrou com ação civil pública também contra as agências Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustível (ANP),  a Nacional de Energia Elétrica (Aneel)  e Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp).

Com a decisão, a magistrada proibiu a suspensão do fornecimento de serviços essenciais, como telefonia, água e gás canalizado, por falta de pagamento durante o estado de calamidade pública ocasionado pela pandemia.

Recurso

Assim que a Justiça Federal de São Paulo proferiu a liminar, em 3 de abril, a Anatel  interpôs embargos de declaração. Em seu comunicado, a agência defendeu a improcedência do pedido do Idecon. No recurso, agência apontou “a impossibilidade de a Anatel proceder à suspensão do fornecimento de serviços de telefonia aos consumidores, por essa atribuição ser das prestadoras; a existência de diferenças regulatórias entre os setores envolvidos, as quais impedem a aplicação de uma solução jurídica de um dado setor (e.g. energia elétrica) para o setor de telecomunicações; e os riscos de ocorrência de efeitos deletérios ao setor de telecomunicações decorrentes do acolhimento da pretensão autoral, sobretudo para os pequenos prestadores”.

A juíza Natália Luchini, no entanto, preferiu explicitar qual era a decisão, enquanto não julga o recurso da Anatel. E assim, mandou que a agência notificasse as empresas reguladas, para que cumpram a decisão no prazo de 48 horas, sob pena de multa diária de R$ 50 mil. E reiterou que o restabelecimento dos serviços essenciais deve ocorrer em 24 horas.

Fonte: Telesintese

Artigos Relacionados
Leia mais em DESTAQUES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

Anatel cria código 0304 para identificar ligações de cobrança

Medida segue os moldes do 0303, utilizado para o caso de telemarketing A exemplo do que já…