A direção da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev) anunciou nesta quarta-feira (8), a demissão de 493 (15%), dos seus 3.360 trabalhadores e trabalhadoras e o encerramento das suas atividades em 20 estados.

Apesar da importância de se manter como públicos a Dataprev e o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), conforme o Portal CUT demonstrou na série de matérias “E eu com isso? sobre os impactos da privatização dessas empresas no dia a dia da população brasileira, o governo de Jair Bolsonaro insiste no desmonte das estatais, essenciais ao desenvolvimento do país e a soberania nacional.

Como parte do projeto de desmonte da Dataprev foi lançado o Programa de Adequação de Quadro (PAQ), para demitir os funcionários das unidades que serão fechadas. Quem não aderir ao programa até o dia 20 de janeiro, poderá ser demitido, já que não terá a opção de ser transferido para as unidades que ainda funcionarão nos estados do Ceará, Distrito Federal, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo.

Fenadados prepara resistência e luta contra as demissões

A Federação Nacional dos Empregados em Empresas de Processamento de Dados (Fenadados), já está preparando uma série de ações para evitar a demissões dos trabalhadores.

Segundo  a secretária da Mulher Trabalhadora da Fenadados e funcionária da Dataprev, Socorro Lago, a categoria pretende ingressar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) ,na Justiça, agendar reuniões com a direção do Serpro e da Dataprev, além da realização de assembleias dos trabalhadores e trabalhadores, para juntos traçarem um plano de lutas e resistência contra os ataques do governo Bolsonaro à categoria.

“Nossa estratégia compreende também realizar audiências públicas, conversar com vários segmentos da sociedade, inclusive parlamentares, para que eles se sensibilizem sobre a importância de manter a Dataprev e o Serpro como empresas públicas. Mas, para que nossa luta seja vencedora precisamos da união de todos os trabalhadores e trabalhadoras, e pedimos para que eles compareçam às assembleias que serão realizadas. É o momento de estarmos juntos, pois é a vida de centenas de famílias que está em jogo”, enfatiza a dirigente da Fenadados.

“Incentivos”

Os principais “incentivos” à adesão ao programa de demissão são:

– adicional de 25% sobre o saldo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)

– indenização equivalente a 45 dias de salário

– 12 meses adicionais de plano de saúde e de previdência privada.

Dataprev é lucrativa

Apesar de gerar lucro – o faturamento projetado para 2019 é de R$ 1,6 bilhão e lucro de R$ 170 milhões, a presidente da Dataprev, Chistiane Edington, disse que esperar “economizar” anualmente R$ 93 milhões com o fechamento dessas unidades e a demissão dos quase 500 trabalhadores.

A Dataprev é responsável por processar R$ 50 bilhões de benefícios do INSS, ao mês, e R$ 555 bilhões, por ano, representando 8% do Produto Interno Bruto do país. 98% da sua receita são oriundos do processamento da folha do INSS, pagos pelo governo federal para a empresa fazer esse serviço pela gestão das folhas de aposentadorias e pensões.

Fonte: CUT-PI

Artigos Relacionados
Leia mais em CUT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

STF autoriza licença de 180 dias para servidor pai ‘solo’

Os ministros do STF negaram recurso do INSS contra decisão do TRT-3 e decidiram que é cons…