A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 161/19 foi devolvida ao autor por falta de assinaturas. O texto altera a atuação sindical no Brasil e cria o Conselho Nacional de Organização Sindical (CNOS), com participação paritária de trabalhadores e de empregadores. O projeto modifica artigo da Constituição que trata da livre associação profissional e sindical.

As PECs precisam de assinatura de 171 deputados para começar a tramitar. Segundo o autor da proposta, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), sete assinaturas não foram reconhecidas e, por isso, o documento voltou. “Nós colheremos essas assinaturas amanhã (15) e a PEC entrará em tramitação depois de amanhã (16)”, disse.

O texto assegura a plena liberdade sindical e exige a participação das entidades sindicais em negociações coletivas – no entanto, os resultados só beneficiarão os associados.

Conselho
O CNOS será composto por seis representantes das centrais sindicais de trabalhadores e seis representantes das confederações de empregadores, sendo consideradas as entidades mais relevantes de cada um desses segmentos.

Caberá ao conselho regulamentar a atuação das entidades, que se organizarão em níveis – sindicatos, federações e confederações, mais as centrais no caso dos trabalhadores –, e deliberar sobre o custeio e o financiamento do sistema.

Ramos afirmou que a proposta está “aberta para ajustes” e busca construir um maior consenso entre confederações e centrais sindicais a favor do texto.

Reportagem – Tiago Miranda
Edição: Geórgia Moraes
Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Fonte: www.camera.leg.br

Artigos Relacionados
Leia mais em CUT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

STF autoriza licença de 180 dias para servidor pai ‘solo’

Os ministros do STF negaram recurso do INSS contra decisão do TRT-3 e decidiram que é cons…