O estudo “Um Panorama do Trabalho Remoto no Brasil e Nmnos Estados Brasileiros Durante a Pandemia da Covid-19”, dos pesquisadores do Ipea

O Piauí tem o menor potencial de teletrabalho do Brasil, aponta pesquisa realizada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). O estudo “Um Panorama do Trabalho Remoto no Brasil e Nmnos Estados Brasileiros Durante a Pandemia da Covid-19”, dos pesquisadores do Ipea  Geraldo Sandoval Góes, Felipe dos Santos Martins e José Antônio Sena Nascimento, afirma que 195.657 pessoas do Piauí têm potencial para o teletrabalho, o que o coloca em  27° lugar entre os estados brasileiros e o Distrito Federal.

O estudo mostra que o Piauí tem 15,6% de seus habitantes têm potencial para o teletrabalho, enquanto o Distrito Federal, que fica em primeiro lugar , tem 31,6% de seus habitantes têm potencial para o teletrabalho. O estudo demonstra que o Piauí está em 26° lugar no ranking nacional  PIB (Produto Interno Bruto) per capita (por habitante).

Segundo os pesquisadores Geraldo Sandoval Góes, Felipe dos Santos Martins e José Antônio Sena Nascimento, o Brasil, pelas características de seu mercado de trabalho, possui, na média, um percentual de pessoas em potencial de teletrabalho de cerca de 22,7%, que corresponde a 20,8  milhões de pessoas. Nota-se, então, que o Distrito Federal apresenta o maior percentual de  teletrabalho (31,6%) em torno de 450 mil pessoas. O estado do Piauí é o que apresenta o  menor percentual em teletrabalho (15,6%), ou seja, em torno de 192 mil pessoas poderiam  potencialmente estar em teletrabalho.

O estudo investigou  o trabalho remoto potencial e efetivo no Brasil em 2020. Utilizando-se de informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)  e metodologia elaborada na literatura internacional e adaptada para o país, o estudo estimou o potencial de ocupações passíveis de serem realizadas de forma remota.

Somado a isso, com base na PNAD Covid-19 para diferentes meses, foi  construído um retrato sobre o perfil da pessoa efetivamente exercendo sua atividade laboral de forma remota devido à pandemia da Covid-19 no Brasil.  Foi estimado um modelo identificando os principais componentes correlatos ao trabalho remoto. 

Os resultados mostram que, apesar de cerca de um quinto dos trabalhadores estar em ocupações passíveis de serem realizadas de forma remota, apenas pouco mais de 10% efetivamente trabalharam de forma remota. Por fim, o estudo aponta que a escolaridade é a variável individual mais correlacionada com a probabilidade de trabalho remoto no país.

A pesquisa do Ipea diz que a massa de rendimentos normalmente recebida no Piauí era de R$ 1,6 bilhão e  a massa de rendimentos é efetivamente recebida durante a pandemia  foi de R$ 1,5 bilhões, equivalente a 97,3 %, de acordo com números de novembro de 2020.

Como era de se esperar, São Paulo é o estado com as maiores massas de rendimentos, seguido pelo Rio de Janeiro e por  Minas Gerais. O Rio Grande do Sul, apesar de ter a quarta maior massa de rendimentos normalmente  recebida, em setembro, possui a quinta maior massa efetivamente recebida, sendo ultrapassado pelo  Paraná.

Em contrapartida, Roraima e o Acre possuem as menores massas de rendimentos.

Artigos Relacionados
Leia mais em DESTAQUES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

Censo 2022 terá call center e pesquisa pela internet

Agentes Censitários de Pesquisa por Telefone prestarão auxílio no preenchimento do questio…