Intervenção do presidente da CUT, Artur Henrique, na Mesa Redonda com chefes de Estado de vários países, organizada pela Rio+20 nesta quinta-feira (21) no Rio Centro:

 O movimento sindical veio até a Rio + 20 com uma agenda muito clara:

Não alcançaremos um desenvolvimento sustentável se não tivermos trabalho decente, direitos garantidos e justiça social e ambiental.

Esperamos compromissos concretos na implementação de um piso proteção social para todos e uma estratégia de trabalho decente.

O modelo de produção e desenvolvimento baseado no lucro e no poder do setor privado sobre o interesse público é a principal barreira para o desenvolvimento sustentável. E vemos com profunda preocupação as decisões aqui no Rio, que não propõem mudanças do modelo de produção e consumo, que integre a variável social e ambiental acima dos interesses econômicos de curto prazo.

É preciso que, nos debates das metas do desenvolvimento sustentável, a base seja os direitos dos cidadãos, direitos humanos, direitos laborais, de gênero, direito a água, a alimentação, a saúde e a educação.

É preciso ser muito mais ambicioso nos objetivos do desenvolvimento sustentável: ser humano morrendo de fome não é sinônimo de justiça social. Portanto, a erradicação da miséria, a redução das desigualdades, o trabalho decente e a proteção social têm que ser prioridade.

É terrível ver a falta de vontade de alguns governos de construir uma governança global sólida. Os trabalhadores não querem competir para ver quem tem o emprego mais precário, o ambiente mais contaminado para ganhar um ponto a mais no PIB – Produto Interno Bruto. Só uma regulação a nível mundial pode ajudar a construir as bases de um mundo mais justo e sustentável.

Mas é preciso perguntar com que recursos países pobres no Caribe e na África poderão financiar a proteção social, implementar a agenda do trabalho decente da OIT, garantir a capacitação e a transferência de tecnologia para uma transição justa de um modelo de desenvolvimento para o outro.

Dizem que não existem recursos para criação de um fundo de desenvolvimento sustentável, mas tem para o FMI salvar bancos. Por que,então, não aprovar o Imposto sobre Transações Financeiras?

O movimento sindical continuara mobilizado para dizer que só haverá sustentabilidade se cuidarmos do meio ambiente, só haverá sustentabilidade se houver mudança do modelo e esse processo só será democrático se houver participação social, diálogo e negociação com os trabalhadores.

Fonte: CUT

Artigos Relacionados
Leia mais em DESTAQUES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

STF autoriza licença de 180 dias para servidor pai ‘solo’

Os ministros do STF negaram recurso do INSS contra decisão do TRT-3 e decidiram que é cons…