O número de inadimplentes no país chega a 62,4 milhões, segundo estimativa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Esse número representa 40,6% da população acima de 18 anos. Em setembro, o total de pessoas com restrições ao CPF aumentou em 3,9% na comparação com igual mês de 2017. Em relação a agosto, ficou praticamente estável (-0,1%).

“O desemprego permanece elevado e a renda não superou os patamares anteriores à crise, prejudicando o orçamento e a capacidade de pagamento dos consumidores. Esse quadro deve só deve ser revertido com a melhora do mercado de trabalho, o que exige por sua vez uma recuperação econômica mais vigorosa”, afirma o presidente da CNDL, José César da Costa.

De acordo com a pesquisa, mais da metade (52,7%) dos compromissos financeiros não quitados vem de bancos ou instituições financeiras. O comércio aparece em seguida, com 17,9% do total. As dívidas bancárias (cartão de crédito, cheque especial e empréstimos) cresceram 8,5% em 12 meses, enquanto no comércio houve queda de 6,1% nos atrasos com crediário.

A inadimplência cresce mais entre a população mais velha. Segundo o levantamento, houve crescimento de 10% de devedores de 65 a 84 anos – são 5,4 milhões de pessoas. Entre negativados de 50 a 64 anos (12,9 milhões), a alta foi de 6,2% e na faixa de 40 a 49 anos (14 milhões), de 4,9%.

“Com o aumento da expectativa de vida, a população idosa participa cada vez mais ativamente do mercado de crédito, com um leque maior de produtos e serviços voltados para esse público específico. Isso eleva o número de potenciais consumidores nessa faixa etária, assim como o número de consumidores que eventualmente caem na inadimplência”, diz o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

Mas a maior parte dos inadimplentes (51,5%) se situa na faixa de 30 a 39 anos. São 17,7 milhões de pessoas. O levantamento mostra ainda 7,7 milhões no intervalo de 25 a 29 anos e 4,4 milhões de 18 a 24 anos.

Artigos Relacionados
Leia mais em DESTAQUES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

STF autoriza licença de 180 dias para servidor pai ‘solo’

Os ministros do STF negaram recurso do INSS contra decisão do TRT-3 e decidiram que é cons…