A garantia de estabilidade dos metalúrgicos e das metalúrgicas que estão prestes a se aposentar está ameaçada. Os patrões estão se aproveitando da reforma trabalhista do ilegítimo e golpista Michel Temer (MDB-SP) para tentar impor na mesa de negociação propostas que retiram direitos históricos da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) dos trabalhadores e trabalhadoras da base da Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT/SP (FEM-CUT/SP).

Com data-base em 1º de setembro, que é a data anual de referência da categoria para negociar reajustes salariais e garantias das cláusulas sociais, os metalúrgicos entregaram a pauta de reivindicações em março e até agora tiveram como retorno apenas a insistência dos patrões em retirar o direito de estabilidade do trabalhador que está prestes a se aposentar.

A Convenção Coletiva da categoria estabelece que o metalúrgico com mais de 10 anos de empresa e acima de 45 anos de idade tem o direito a 18 meses de estabilidade antes de se aposentar e o trabalhador com mais de cinco anos de empresa e 45 anos de idade tem direito a um ano. A contraproposta patronal quer simplesmente acabar com essa garantia.

Para o presidente da FEM/CUT-SP, Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão, essa é uma cláusula que foi inserida na Convenção Coletiva da categoria há mais de 20 anos e os representantes dos trabalhadores insistirão pela manutenção desse direito. Uma nova rodada de negociação está prevista para esta quinta-feira (23).

“Aceitamos debater propostas de melhorias [da cláusula que se refere à aposentadoria], já que hoje há mais de uma modalidade de aposentadoria, mas não vamos permitir a retirada desse direito tão importante”, diz.

“Não podemos aceitar que as empresas demitam trabalhadores faltando pouco tempo para aposentadoria, colocando-os em uma situação em que fica praticamente impossível a aquisição do benefício, já que o trabalhador com idade entre 45 e 50 anos não consegue mais emprego.”

Segundo Luizão, a justificativa da bancada patronal para acabar com a estabilidade é a falta de controle das informações. “Eles alegam que os funcionários não estão avisando que estão dentro do período de pré-aposentadoria e estão enfrentando problemas jurídicos com as demissões de quem tem direito à estabilidade”, explica.

Para o trabalhador garantir a estabilidade prevista na CCT, ele tem de avisar a empresa um ano e meio antes do prazo de se aposentar. Porém, como muitos trabalhadores ficam na dúvida sobre qual modelo de aposentadoria optar, nem sempre esse prazo é exato.

Hoje, os trabalhadores da iniciativa privada podem se aposentar por tempo de contribuição (fórmula 85/95 ou fator previdenciário) e por idade.

Para se aposentar por tempo de contribuição e receber 100% do valor do benefício, as mulheres têm de contribuir por no mínimo 30 anos e, os homens, 35. A soma da idade com o tempo de contribuição tem de dar 85 no caso das mulheres e 95 no dos homens. É a opção pela fórmula 85/95, instituída no governo da presidenta legitimamente eleita, Dilma Rousseff.

Caso o trabalhador ou a trabalhadora queira se aposentar e ainda não tenha atingido a idade mínima exigida na fórmula 85/95, pode optar pela aposentadoria por tempo de contribuição (30 anos mulher e 35 homem), porém não receberá o valor integral e o cálculo será feito com base no Fator Previdenciário.

Já as regras da aposentadoria por idade exigem que as mulheres tenham 60 anos de idade e 15 de contribuição e os homens 65 anos de idade e 15 de contribuição para terem direito a 100% do valor do salário benefício, que é a soma das 80% maiores contribuições feitas do primeiro ao último emprego.

Segundo presidente da FEM/CUT-SP, a cláusula que garante estabilidade aos metalúrgicos foi construída quando havia apenas uma modalidade de aposentadoria por tempo de contribuição. “Por isso, o que precisamos é ajustar a cláusula social prevista na CCT e não acabar com esse direito da categoria.”

“Estamos propondo que no texto seja inserido que o trabalhador tem de avisar o período de pré-aposentadoria com 35 anos de contribuição, no caso homem, e 30 anos, no caso das mulheres, assim todos vão saber o momento de comunicar a empresa, independentemente do formato de aposentadoria que venham a escolher.”

“Continuaremos a debater este tema até que seja assegurado ao trabalhador o seu direito”, garante Luizão.

Ultratividade

A reforma trabalhista do ilegítimo Temer acabou com a chamada ultratividade, que garantia aos trabalhadores e trabalhadoras a manutenção dos direitos garantidos nas Convenções ou Acordos Coletivos até a assinatura de um novo documento. Com isso, se um novo acordo não for fechado até a data-base, os direitos dos trabalhadores ficam comprometidos.

“Estamos tendo de negociar outra vez todos os direitos conquistados há anos. E com a reforma, tudo o que envolve garantias e estabilidade para os trabalhadores, eles [os empresários] querem rever”, denuncia o presidente da FEM/CUT-SP.

As negociações continuam, mas a previsão é que a Campanha Salarial não acabe antes de 1º de setembro (data-base).

“Estamos negociando as cláusulas sociais e depois ainda temos as econômicas. Apesar das dificuldades nas negociações, estamos lutando para garantir todos os direitos conquistados”, conclui Luizão.

A base da FEM-CUT/SP reúne cerca de 194 mil metalúrgicos e metalúrgicas dos setores de Fundição; Estamparia; Grupo 2 (máquinas e eletrônicos); Grupo 3 (autopeças, forjaria, parafusos); Grupo 8 (trefilação, laminação de metais ferrosos, refrigeração, equipamentos ferroviários, rodoviários, entre outros) e Grupo 10 (lâmpadas, equipamentos odontológicos, iluminação, material bélico, entre outros).

Fonte: CUT
Escrito por: Érica Aragão e Tatiana Melim

Artigos Relacionados
Leia mais em CUT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

STF autoriza licença de 180 dias para servidor pai ‘solo’

Os ministros do STF negaram recurso do INSS contra decisão do TRT-3 e decidiram que é cons…