Auditores-fiscais da Superintendência Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul (SRTb/RS) interditaram diversas máquinas e setores da unidade da Seara de Três Passos, no Rio Grande do Sul, devido aos riscos graves à saúde e à integridade física dos trabalhadores e trabalhadoras encontrados na fábrica.

Para o auditor fiscal do trabalho Mauro Muller, um dos responsáveis pela operação, essas auditorias detalhadas são fundamentais para garantir a segurança dos trabalhadores da indústria.

“Essas operações são importantes, pois cumprem duas finalidades primordiais: a de cessar imediatamente o risco de lesão grave para os trabalhadores e a de servir de exemplo para as demais indústrias do mesmo ramo de atividade econômica para que façam adequações e garantam a segurança no trabalho”, explica.

Na Seara, além da falta de proteção em diversos equipamentos, os auditores fiscais encontraram muitos trabalhadores submetidos a condições inadequadas de trabalho que ultrapassavam até mesmo os limites físicos de uma pessoa e poderiam causar graves distensões e lesões musculares, como fraturas, e inflamações nas articulações do corpo.

Na área de movimentação de cargas, por exemplo, os trabalhadores estavam movimentando de 20.000 kg a 36.000 kg por dia, sendo que o limite máximo permitido a uma jornada de oito horas é de 10.000 kg com as duas mãos e 6.000 kg com apenas uma mão.

“Era quase o dobro do peso máximo permitido, um perigo à segurança do trabalhador, podendo causar graves problemas à saúde”, critica a secretária de Saúde do Trabalhador da CUT, Madalena Margarida da Silva.

Segundo ela, os trabalhadores dessas indústrias são os que mais apresentam inflamações dos tendões e punhos e dor na coluna devido às Lesões por Esforço Repetitivo (LER), que evoluem depois para o Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho (DORT).

“Essas lesões impossibilitam o trabalhador de fazer movimentos e, com isso, ele fica incapacitado para vida e para o trabalho, já que essas doenças causam muitas dores”, diz a secretária.

E quando adoecidos, lesionados e mutilados, explica Madalena, os trabalhadores e trabalhadoras penam para acessar seus direitos previdenciários e, muitas vezes, têm o pedido indeferido por causa da dificuldade de comprovar essas doenças.

E assim uma doença adquirida no trabalho torna a vida de um trabalhador adoecido um martírio

– Madalena Margarida da Silva

Trabalho que leva à exaustão

De acordo com o relatório dos auditores fiscais que resultou na interdição, o intenso ritmo de trabalho imposto durante a jornada estava levando os trabalhadores à fadiga e à exaustão. “Percebe-se isso pelos depoimentos dos empregados, que reclamam do ritmo de trabalho (imposto pela organização do trabalho), de dor nos braços e nas costas”, diz trecho do relatório.

Para voltar a operar todos os setores interditados, a Seara deverá realizar as adequações e detalhar todas as medidas adotadas à área de Segurança e Saúde da Superintendência Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul (SRTb/RS).

Na última sexta-feira (24), após comprovar que alguns problemas foram resolvidos, parte das atividades foi retomada, como movimentação de cargas na expedição, presuntaria, embalagem secundária e quatro máquinas do setor de desossa. No entanto, há ainda muitos setores interditados até que todos os ajustes sejam feitos e comprovados.

Patrões não cumprem as normas de segurança

O auditor fiscal do trabalho, Mauro Muller, alerta que o caso da Seara não é o único no setor. Segundo ele, há ainda muitos outros encontrados entre as grandes indústrias do ramo frigorífico, “que tem recursos para investir e garantir a segurança dos trabalhadores, mas não fazem em sua integralidade”.

“Estamos intensificando a fiscalização justamente para reverter esse quadro”, diz.

A secretaria de Saúde do Trabalhador da CUT, Madalena Margarida da Silva, concorda com a análise do auditor. Segundo ela, as empresas não têm compromisso com a saúde dos trabalhadores e resistem em implementar os mecanismos de proteção coletiva e individual que promovam a melhoria da segurança e condições de trabalho.

“Nós participamos da Comissão Tripartite Paritária Permanente, onde se discute, propõe e elabora as Normas Regulamentadoras (NRs), e percebemos o quanto os empregadores resistem em implementar as normas”, conta a dirigente, se referindo, sobretudo, às NR’s 12, 17 e 37, que tratam da implementação de dispositivos de proteção nas máquinas para garantir a saúde e a integridade física dos trabalhadores, além de exigências sobre a ergonomia nos frigoríficos.

“A indústria brasileira ainda tem um pátio industrial compostos por máquinas antigas e obsoletas que não dispõem de travas de seguranças, sendo responsáveis pelos altos índices de mutilações e mortes de trabalhadores”, lamenta a secretária.

Confira os setores em que está mantida a interdição:

– Serviços/atividades de movimentação de cargas nos setores de embalagem secundária, desossa, mezanino da desossa, abate e sala de lavagem de carretilhas.
– Movimentação de cargas com paleteiras manuais ou com carrinhos nos setores da desossa;
– Atividade de empurrar carcaças nos setores de abate e desossa
– Atividades de virar caixa nos setores de: schrink, desossa e embalagem secundária
– 5 máquinas descoureadeiras, localizadas no setor de mezanino da desossa, utilizadas para descourear o pernil e o carré, 1 máquina descoureadeira da sala de cabeças e 1 Descoureadeira Automática no setor da Desossa (Máquina Maja Descoureadeira da Barriga)
– Máquina Desbobinadora de Tripa
– Escadas tipo marinheiro em diversos setores e trabalhos com diferença de nível, no setor de Abate

Confira os setores que retornaram na última sexta (24), após adequar as condições de trabalho:

– Serviços/atividades de movimentação de cargas nos setores de expedição, presuntaria, embalagem secundária da presuntaria;
– Movimentação de cargas com paleteiras manuais ou com carrinhos nos setores de expedição, presuntaria e embalagem secundária da preseuntaria;
– 4 máquinas descoureadeiras no setor de desossa;
– Sistema de Refrigeração por Amônia e suas tubulações;
– Transportadores Contínuos de Materiais (esteiras) dos setores de presuntaria, embalagem secundária da presuntaria, mesas do pernil e paleta do setor de desossa;
– Serviços de entrada e de permanência em Espaços Confinados (EC) sobre o forro;
– Serviços de entrada e de permanência em Espaço Confinado nº 111;
– Escadas tipo marinheiro nos setores de casa de máquinas e caldeira.

Artigos Relacionados
Leia mais em CUT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

STF autoriza licença de 180 dias para servidor pai ‘solo’

Os ministros do STF negaram recurso do INSS contra decisão do TRT-3 e decidiram que é cons…